• Internas

Anjos do asfalto

Hoje, dia 24 de julho, comemoramos o dia do Policial Rodoviário Federal. Há 89 anos, a PRF faz um trabalho importantíssimo para a nação, fiscalizando, policiando, promovendo cidadania, ao longo dos milhares de quilômetros da imensa malha viária do país. Uma pátria de vocação rodoviária, onde suas estradas são veias e artérias que fazem a economia pulsar, levando desenvolvimento, dignidade e riquezas aos rincões mais distantes e remotos do torrão natal.

Nesse contexto, destaca-se indelével a figura do PRF, do Patrulheiro, do Inspetor, dos Anjos do Asfalto, enfim, seja qual for a designação que esse profissional receba, em todas elas, se percebe a conotação do carinho, respeito, valor, que a sociedade deu e agregou a esse personagem que, nem sempre, na sua árdua missão de proteger e salvar vidas, assim como o patrimônio público e das pessoas, se sabe o alto preço que ele paga para dar essa garantia aos cidadãos brasileiros.

Faz-me recordar uma episódio ocorrido na BR-316, trecho que passa pelo Maranhão, quando, em certo dia, numa ronda de rotina, lá pelas 14:00 horas, debaixo de um sol forte e escaldante, a equipe de ronda percebe um caminhão carregado e em alta velocidade. Verificando-se que, além de exceder o limite de velocidade permitido, o comportamento daquele motorista que conduzia aquele veículo estava estranho!...

É feito sinal de pare! O veículo não pára! Os policiais entram na viatura e sai atrás do caminhão com as luzes e intermitente acesos, a sirene ligada. Quando o motorista ver que está sendo seguido pela PRF, começa a reduzir a velocidade até a parada total. Ao descer do carro, vem com uma lanterna e um martelo de madeira usado para bater nos pneus e começa a batê-los, procedimento usado para ver calibragem dos mesmos, só que com a lanterna acesa, focando nos pneus...

Claramente os policiais percebem a alteração daquela motorista! O abordam, e perguntam por que aquela lanterna acesa focando nos pneus? Ele responde que era pra bater com o martelo nos pneus. Os policiais interrompem-no e dizem que não era necessário, já que eram 14:00 horas da tarde, sol brilhando!... Então a ficha cai! Aquele “pobre” motorista estava “arribitado”, forma que encontrou para entregar aquela carga, já que tinha prazo por ser perecível. E como só ele dirigia e ia trabalhar mais de vinte horas, só tinha aquele jeito!... Absurdo!...

Os policiais levaram motorista e veículo até um ponto de parada mais próximo, pedem para ele tomar um copo de leite e deitar um pouco, no que foram obedecidos, e, após fazê-lo, apaga, dormindo por mais de seis horas! O resultado se carga pereceu ou não pelo fato de ter excedido o prazo de entrega não se sabe, mas é fato que, se não tivesse a PRF ali, naquele momento, e agir com agiu, muitas são as possibilidades de ter atendido um acidente com grandes proporções e provavelmente, com vítima fatal.

Esse e outros contos, seja na área operacional, sejam nas áreas social, promoção do bem estar, integração entre outras forças governamentais, educação, inteligência, cobertura a grandes eventos, escolta de autoridades, ao comportamento do Policial Rodoviário Federal no seu manejo, aplica-se muito bem a designação carinhosa de: OS ANJOS DO ASFALTO.

O SINIPRF-BRASIL DESEJA:

PARABÉNS POLICIAL RODOVIÁRIO FEDERAL!

PARABÉNS POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL!

PELOS SEUS DIAS

Fonte: SINIPRF-BRASIL

Inspetor Acir da Fonseca Dantas

Diretor de Divulgação e Comunicação do SINIPRF-BRASIL

ImprimirEmail