• Atividades Políticas

Atos e força tarefa no congresso marcaram dia de paralisação de servidores contra retrocessos que governo quer impor à categoria

Servidores federais promoveram nessa quarta-feira, 23, um dia nacional de lutas com atos e paralisações de atividades em todo o Brasil. O objetivo foi protestar contra os ajustes anunciados pelo governo na semana passada e que afetam diretamente a categoria. A imposição de arrocho apresentada aos servidores do Executivo, postergando reposição da inflação de 2016 somente a partir de agosto do próximo ano, e que deve “economizar” R$7 bilhões do orçamento, é apenas uma das fases perversas das medidas. a suspensão de concursos públicos e o fim do chamado abono de permanência que pode retirar mais de 100 mil servidores de atividade são outras medidas que os servidores buscaram reverter com esse trabalho de pressão. Em Brasília a categoria promoveu a partir das 9 horas uma manifestação em frente ao Ministério da Fazenda. Houve café da manhã para os participantes.

Depois, a categoria seguiu em marcha até o Planejamento onde solicitou uma audiência com o ministro Nelson Barbosa para buscar reverter o recuo do governo trazendo a reposição da inflação (5,5%) de volta para 1º de janeiro de 2016 como já estava acordado. A tarde um grupo de representantes do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasef) seguiu para o Congresso Nacional. Lá a categoria fez um trabalho de força tarefa dialogando com lideranças partidárias e parlamentares para convencê-los a não aprovar mais medidas punitivas para a classe trabalhadora. Um documento também foi elaborado pelo Fonasef para ser entregue aos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, do Planejamento, Nelson Barbosa, e aos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros.

Até agora os esforços ligados ao ajuste fiscal penalizaram quase exclusivamente os trabalhadores. Há, para os representantes da categoria, outras soluções que o governo pode lançar mão para promover os ajustes necessários sem sacrifício exclusivo daqueles que não provocaram essa crise. O Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) aponta estudo que mostra que se o governo taxasse em 15%, via imposto de renda, os lucros e dividendos recebidos por acionistas de grandes empresas, o governo teria um aporte de R$43 bilhões / ano em seu orçamento. O estudo foi objetivo de matéria divulgada na Carta Maior e que pode ser lida na íntegra aqui. Há ainda opções como encaminhar proposta para taxação das grandes fortunas, rastrear e penalizar grandes sonegadores, promover a necessária e urgente auditoria da dívida pública brasileira, entre outras tantas possibilidades.

Repassando, mais uma vez, a conta de uma crise para a classe trabalhadora, o governo não só amplia um cenário de insatisfação já intenso como pode terminar adiando o fim das intempéries. Impor aumento de impostos, arrocho salarial e outras mazelas direcionadas aos trabalhadores e continuar garantido altos lucros a muito poucos nunca será boa receita para consolidar um país desenvolvido, economicamente forte e justo.

Fonte: Portal do Servidor Público Federal
Inspetor da Acir da Fonseca Dantas
Diretor de Divulgação e Comunicação do SINIPRF-BRASIL

 

ImprimirEmail